ISTAS HAL

I Colóquio Nacional de Hotelaria de Ar Livre

Uma opção de turismo, para TODOS!

21-10-2017

 

Sendo Portugal um país de eleição para o turismo e tendo em conta o seu ótimo clima todo o ano face ao resto da Europa, a sua grande variedade gastronómica, a sua riqueza do património, elevado conteúdo histórico e o bem receber do seu povo, a Hotelaria de Ar Livre (HAL) em Portugal contínua a ser vista como uma opção considerada menos apetecível, menos atrativa segundo muitas pessoas ou até pouco viável financeiramente.

Desta forma, os ISTAS tomaram a iniciativa de reunir todos os agentes interligados à HAL numa sala escutá-los e tentar ser a ponte de ligação entre todos.

Para isso, convidou-se os parques de campismo (PC), as escolas, os professores, os alunos, os ISTAS e claro está o Turismo de Portugal (TP).

Prontamente aceitaram o desafio e para tentarmos ir mais longe, na diversidade dos agentes, convidamos também uma Área de Serviço de Autocaravanas (ASA) que consideramos pioneira e única em Portugal.

Como moderador para este evento, convidou-se o amigo Ricardo Peixe um Coach e autor que tinha todo o potencial, alegria e assertividade para encaminhar e unir todas as divergências em convergências.

Ricardo Peixe

  1. Mas, o que é HAL? Qual a sua origem?

A Cláudia Abreu, apresentou e explicou o tema, apresentando alguns dados estatísticos de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE).

  1. PAINEL 1 – Que sinergias e oportunidades?

Nesse painel, tivemos o Dr. Vasco Granja pela rede Orbitur e o Hans de Jong pelo O Tamanco que explanaram as suas dinâmicas, dificuldades e oportunidades na gestão destes empreendimentos turísticos. De seguida e em forma de tertúlia, os Diretores Escolares do Agrupamento de Escolas Diogo Macedo (Prof. Carlos Silva) e Agrupamento de Escolas dos Carvalhos (Eng. Domingos Oliveira) apresentaram as suas metas enquanto objetivos educativos, face às metas dos cursos e mostraram as suas dificuldades em muitas vezes conseguirem arranjar locais de estágios para os seus alunos dos cursos profissionais, nomeadamente no curso de turismo.

Foi de senso comum que muito há a fazer no que há comunicação entre os PC e as escolas diz respeito para que as saídas profissionais vão de encontro às necessidades do PC para poderem contratar novos funcionários.

Da parte da tarde tivemos as seguintes apresentações:

  1. Make a Wish Portugal

Uma fundação apresentada pela Maria João Figueiredo, uma voluntária desta IPSS, que realiza desejos a crianças e jovens, dos 3 aos 18 anos, com doenças graves, progressivas, degenerativas. Até ao momento, já realizou mais de 800 desejos sendo o seu objetivo alcançar até ao final do ano os 1.000 desejos realizados!

  1. ASA´s Seu conceito, legislação e futuro?

Face à impossibilidade de o convidado (Pedro Pereira) estar presente, fez-se representar por um vídeo de apresentação da sua ASA, em Paredes de Coura, que recebe todo o tipo de turista itinerante, independentemente do meio de transporte que circulam. Um ponto de pernoita até 72h que permite toda a comodidade. Tem duches quentes, pontos de água e de eletricidade.

  1. PAINEL 2 – Que empreendedorismo para melhorar?

Com a apresentação do Turiscampo pela Dr.ª Agnes, toda a plateia “acordou” para uma realidade única em Portugal no que à HAL diz respeito. De tal forma que todos os alunos presentes, questionavam se aquelas fotos eram de um PC e mais pasmados ficaram quando souberam que estava situado em Portugal, na cidade de Lagos. Caso para dizer, uma imagem vale mais que mil palavras.

De seguida e com toda a sua irreverência e pertinência o Eng. Lemos, pelo Colégio Internato dos Carvalhos (CIC), fez uma apresentação no mínimo provocatória, no bom sentido, questionando se então queremos ar livre, natureza e fazer fogueiras, em que medida o termo hotelaria se enquadra?

Já o Prof. Álvaro Santos, Diretor da Escola Secundária Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves, na sua apresentação com visão futurista, mostrou que métodos aplicar e como agir para reinventar a educação por forma a enfrentar o futuro.

Finalizou o Turismo Porto e Norte, com a apresentação do Dr. Paulo Carrança, apresentando os números dos dados do INE sobre o turismo em Portugal, que perspetivas a ter em conta e terminou com a revelação da Estratégia do TP para 2027 através de um vídeo.

Em modo de conclusão do colóquio, eu Pedro Castro, fundador dos ISTAS, afirmei que esperava pelo menos chegar ao final do evento com um repto a fazer, que era o de não pararmos o que os ISTAS tinham começado, mas mais que um repto deixei nada mais nada menos que 6 reptos:

  1. A todos, que o que hoje começamos, é para dar continuidade, seja em reuniões, seja em colóquios ou até mesmo em ações de promoção;
  2. Aos Parques de Campismo, que os ISTAS estão aqui para os promover, usufruir e melhorar;
  3. Às escolas que os ISTAS estão aqui para os ajudar a colocar os seus alunos;
  4. À Federação Portuguesa de Autocaravanismo (FPA), ao companheiro José Ricardo, que os ISTAS estão disponíveis para se juntar aos autocaravanistas pela luta por ASA´s com melhores condições;
  5. Ao Turismo de Portugal, que juntos poderemos construir uma melhor promoção da Hotelaria de Ar Livre, nacional e internacionalmente;
  6. E finalmente o mais importante, os ISTAS criarão a primeira bolsa de alunos estagiários dos cursos profissionais (numa primeira fase nas escolas de Gaia) para os Parques de Campismo nacionais, onde os ISTAS serão a ponte de ligação entre as necessidades dos Parques de Campismo e as saídas das escolas.

No final do dia, ficamos todos com o sentimento que foi um pequeno evento para nós, mas um grande movimento para o futuro do Turismo de Hotelaria de Ar livre.

OBRIGADO A TODOS!

Video Reportagem (versão reduzida)

Poderá ver a versão completa da reportagem AQUI (video longo)